sábado, 13 de fevereiro de 2010

Precious

Sabemos que o mundo não é perfeito. Sabemos que há muita injustiça por aí. Sabemos muitas coisas e ao mesmo tempo não sabemos de nada. Os jornais, as revistas, os talk shows estão cheios de histórias dramáticas, insólitas e aterradoras. Ficamos a saber que existem, arrepiamo-nos e ficamos agoniados por momentos. Pensamos durante um tempo e depois passou. Capuf, não se pensa mais nisso.

Precious é assim... um murro no estômago. Estamos alheados demais do que se passa à nossa volta. Ignoramos os sinais. Ouvimos e ao mesmo tempo não queremos saber. Somos humanos e bestas ao mesmo tempo. O que nos terá feito assim?

Será que aquelas pessoas sofrem porque não se esforçaram na vida? Por que será o destino tão cruel para elas? Não sei, creio que ninguém pode dar uma resposta concreta para esta questão.

Precious, baseado no romance Push de Sapphire, é um drama que nos ultrapassa mas que não deixa de ser um filme de esperança. Limitamo-nos à condição de espectadores. Não podemos entrar na história, não podemos gritar nem fazer nada, apesar da agonia.

Resta-nos abanar a cabeça perante as atitudes da mãe de Precious. Como é possível tamanha ignorância? Como é possível tamanha falta de amor? Como é possível tratar um ser humano daquela maneira?

Resta-nos torcer por Precious e transmitir-lhe amor telepaticamente. Não muito mais.

É um filme que nos corrói por dentro e nos deixa a matutar sobre os seres que deambulam pela nossa sociedade. Estaremos assim tão insensíveis? Tão a leste do amor e daquilo que deveria ser a humanidade?

A ligação de Oprah e Mariah Carey a este filme não é de todo inesperada.

Faltava a história: Precious é uma menina de 16 anos. Uma menina sonhadora, nascida e criada no Harlem (Nova Iorque). Não passa de uma menina, apesar de já ser mãe e estar à espera do segundo filho - ambos concebidos pelo seu próprio pai. Vive sozinha com a mãe que a abusa fisicamente e mentalmente. Resta-lhe a escola que tanto gosta e o professor com quem sonha um dia casar, mas até isso lhe é vedado.

Precious é uma menina-mulher. Vai à luta e refaz a sua vida (ou parte dela).

Precious é um filme de Lee Daniels que nos parte o coração. As lágrimas, essas, não devem ser contidas.

5 comentários:

Finotti, Mariana disse...

esse filme é MUITO bom

Cate disse...

Quero TANTO ver este filme!

Jibóia Cega disse...

Mas vale a pena ver ou não?

Pecansis disse...

Sim, vale muito a pena ver.

Carla Delgado disse...

Estou a tentar ganhar coragem...

DIREITOS DE IMAGENS

Todas as imagens neste blog são retiradas de outros sites e usadas apenas para fins recreativos.
Não é pertendido usar os direitos de autor de outros, por isso sempre que possível é referida a fonte.
Caso alguma imagem esteja contra este estatuto mande-me um e-mail.